Google remove o aplicativo Android usado para espionar manifestantes bielorrussos

O Google removeu um aplicativo Android da Play Store que era usado para coletar informações pessoais de manifestantes bielorrussos que participavam de protestos contra o governo.
O aplicativo NEXTA LIVE esteve disponível por quase três semanas na Play Store oficial, foi baixado milhares de vezes e recebeu centenas de avaliações.
Google remove o aplicativo Android usado para espionar manifestantes bielorrussos
Para obter instalações, o NEXTA LIVE afirmou ser o aplicativo Android oficial da Nexta, uma agência de notícias bielorrussa independente que ganhou popularidade entre os manifestantes anti-Lukashenko depois de expor abusos e brutalidade policial durante as recentes manifestações antigovernamentais do país.
O aplicativo NEXTA LIVE esteve disponível por quase três semanas na Play Store oficial, foi baixado milhares de vezes e recebeu centenas de avaliações. Imagem: NEXTA LIVE.
No entanto, em um comunicado, a Nexta disse que o aplicativo não estava associado ao seu serviço e foi projetado para coletar dados de usuários e desanonimizar os participantes do protesto. Assim, a equipe da Nexta escreveu:
Não instale sob nenhuma circunstância. Avise seus amigos, repostagem máxima!
Além disso, a Nexta pediu aos usuários que desinstalassem imediatamente o aplicativo de seus dispositivos, atribuíssem uma avaliação ruim ao aplicativo e relatassem à equipe do Google. Essa estratégia funcionou, e o aplicativo foi removido no início desta semana.
Em uma análise resumida que um pesquisador de segurança bielorrusso compartilhou com os leitores, o aplicativo foi projetado para coletar dados de geolocalização; reunir informações sobre o proprietário do dispositivo; e fazer upload dos dados para um servidor remoto em intervalos regulares.
Embora não haja uma ligação oficial entre o falso aplicativo Nexta e o governo de Lukashenko, esta dificilmente seria a primeira vez que um governo tentaria espionar seus cidadãos em meio a protestos antigovernamentais, na tentativa de identificar os frequentadores do protesto.
Além disso, os bielorrussos estão certos em desconfiar depois que a polícia bielorrussa invadiu os escritórios das empresas Yandex e Uber; no que os manifestantes descreveram como uma tentativa de obter dados de localização para identificar quem participou nas manifestações antigovernamentais.
Fonte: ZDNET
Manifestantes em Hong Kong usam aplicativos de mensagem offline
Google não responderá mais a solicitações de dados de autoridades de Hong Kong
Demanda por VPNs aumenta em Hong Kong

Fonte: SempreUpdate