Xiaomi lança adesivo inteligente com NFC por US$ 3 na China

A Xiaomi anunciou a segunda versão do NFC Touch Sticker e, a partir da sua plataforma de financiamento coletivo, a companhia informou que o novo adesivo vai ser vendido pelo preço de 19,9 yuans, cerca de US$ 3.Veja também: Xiaomi deve lançar seu celular dobrável em 2021Xiaomi se prepara para produzir smartphones com câmera sob a telaMIUI 12 chega a mais aparelhos da Xiaomi

Desde 2014, após o lançamento da primeira versão do NFC Touch Sticker, a empresa já vinha planejando um novo dispositivo. Após arrecadar por volta de US$ 145 mil, a Xiaomi resolveu apresentar o novo modelo, que foi desenvolvido em PVC branco.

O novo adesivo inteligente, identificado como XMPTO1MW pela empresa, possui diversas funcionalidades, incluindo a retransmissão de músicas, e será compatível com a caixa de som Xiaomi Speaker Art, além de suporte a mais de 2 mil dispositivos inteligentes de 89 plataformas de loT de empresas como a Philips.Outra função interessante do adesivo é a projeção de vídeo, que será compatível com vários dispositivos da gigante da tecnologia, incluindo a Mi Tv Master OLED, e os celulares Mi 10 Pro, Mi 10 Youth Edition 5G, Redmi K30 5G, Redmi K30 Pro, Mi CC9, Xiaomi MX3 e Xiaomi MX2.Todas as configurações dos recursos oferecidos pelo NFC Touch Sticker 2 podem ser feitas dentro aplicativo Mijia, da Xiaomi, que está disponível tanto para Android quanto iPhone na China.

A empresa anunciou o dispositivo após arrecadar US $ 145 mil em financiamento coletivo. Créditos: Testing/ShutterstockLançamento mundial Os fãs da Xiaomi que vivem fora da China ainda vão ter que esperar um pouco para comprar o NFC Touch Sticker 2. Atualmente, o dispositivo só pode ser adquirido dentro da plataforma de financiamento coletivo da Xiaomi, que está disponível apenas na China.A venda no mercado internacional ainda é um mistério. No entanto, se a empresa seguir a estratégia utilizada na primeira versão de 2014, eles devem lançar o dispositivo em alguns lugares da Europa, depois da China.Fonte: Mundo Conectado

Fonte: OlharDigital