Sanções dos EUA proíbe a Samsung e SK Hynix de fornecer a Huawei

Quando pensávamos que piro não podia acontecer à Huawei, eis que surgem novos problemas. Depois de impossibilitada de trabalhar com a Qualcomm, Mediatek e TSMC, ficando assim impossibilidade de ter processadores para os seus telefones, eis que as sanções dos EUA impossibilitam que o gigante chinês faça negócios com a Samsung, com a SK Hynix e com a LG Dispaly.
Na próxima terça-feira, dia 15 de Setembro, entram em vigor as medidas mais restritivas decretadas pelo governo Trump, para limitar ainda mais o campo de acção da Huawei, pois proíbem empresas não americanas que utilizam tecnologia americana de fazer negócios com a empresa sem autorização prévia das autoridades norte-americanas.
Isto é mais um balde de água fria, já que a Samsung e SK Hynix são responsáveis pelo fornecimento, entre muita coisa, dos módulos de memória. Assim, tanto a Samsung Electronics, como a SK Hynix, devem encerrar todos os fornecimentos de semicondutores à Huawei a partir da próxima terça-feira, num movimento que pode afectar as vendas de ambas as empresas. O mesmo acontece com a Samsung Display, e com a LG Display, que deixam de poder fornecer ecrãs ao gigante da China.

SK Hynix e Samsung e LG deixam de fornecer a Huawei
Em relação aos ecrãs, esse embargo é facilmente resolvido, já que a empresa prefere comprar os mesmos a uma empresa Chinesa, à BOE, pelo menos para os telefones de gamas mais baixas, o problema será alimentar os telefones de gama alta, que habitualmente usam ecrãs AMOLED da Samsung.
Já em relação aos semicondutores, a situação é completamente diferente, e forçou a Huawei a comprar o máximo de estoque possível antes das sanções, que devem entrar em vigor em meados de Setembro. Segundo empresa de pesquisa taiwanesa DRAMXchange, a Huawei aumentou o preço à vista de DRAM, e da memória dinâmica de acesso aleatório, gerando lucros inesperados aos fornecedores de chips.
Recentemente, o governo chinês financiou uma empresa doméstica de semicondutores chamada de SMIC, que foi oferecida como um fornecedor alternativo para a Huawei. No entanto, o governo de Trump também ameaçou aplicar sanções contra a SMIC, levando o Ministério das Relações Exteriores da China a acusar os EUA de “hegemonia flagrante”.
Isso significa que a Huawei tem cada vez menos opções de fornecimento de peças para os seus telefones, embora a fabricante de chips americana Qualcomm tenha feito lobby junto ao governo Trump para suspender as restrições, e permitir a venda à Huawei… mas não deverá receber a autorização para tal.
Ajude-nos a crescer, visite a nossa página do Facebook e deixe o seu gosto, para ter acesso a toda a informação em primeira mão. E se gostou do artigo não se esqueça de partilhar o mesmo com os seus amigos.

 

Fonte: Noticias e Tecnologia